Artes plasticas naif sinval medeiros

Retratando são paulo

sábado, 31 de março de 2012

visite as exposiçoes na caixa economica federal de sao paulo

visite currais novos rn em julho tem vaguejada e festa de santana

anjos da noite conheço esta galera demais

apoio da loja de caneta ravil

apoio da churrascaria bovinus centro

apoio do cafe martinelli

traduçao internacional do blog retratando sao paulo

site revistamuseu de sao paulo


sinval medeiros no site ig.com

Cultura e Divers�o



  • Ex-morador de rua vira pintor em São Paulo


Sinval: arte autoral e primitiva no Vale do Anhangabaú

Ex-morador de rua e viciado em bebidas é salvo por misteriosa voz enquanto dormia na Avenida São João. Como a arte é fonte de conhecimento e de transcedência espiritual, durante 45 anos ele se manteve distante dessa simbiose.

Nascido na cidade de Currais Novos (RN), em 5 de dezembro de 1962, Sinval G. Medeiros, 45, jamais teve qualquer tipo de contato com escola de artes plásticas.

Estudou até o 2º ano do ensino fundamental e depois de percorrer vários estados, incidentalmente migrou para São Paulo em 1990; apenas tinha em mente trabalhar e viver com dignidade.

Em meados de 1998 o destino preparou-lhe algumas surpresas entre as quais transformá-lo em morador de rua e alcoólatra. Para sobreviver fazia pequenos trabalhos, como por exemplo, pagar contas para taxistas e camelôs, e como recompensa, recebia entre R$ 2 e 3 para manter o vício.

Nas ruas ele foi agredido fisica e moralmente. Ele ainda se lembra de um aniversário da Cidade de São Paulo quando dormia e foi acordado por um motoqueiro: "acorda, hoje não é dia de dormir até tarde é aniversário da cidade", disse o motoqueiro, que em seguida, lhe agrediu com chutes.

Sinval bebia para tentar esquecer o quanto seria difícil enfrentar mais uma noite na rua, exposto não só às intempéries mas também à violência humanas

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

thiago fogolin este e meu parceiro das rua

A história de Thiago Fogolin é curiosa, pois ele estava totalmente estagnado no curso de Design Gráfico quando começou a fotografar mendigos. Às vezes, a gente acha que sabe para o que tem talento, mas acaba descobrindo que nasceu mesmo foi para outra coisa. Num dia qualquer de 2008, Thiago resolveu pintar uma tela a partir de certa foto que havia tirado de um senhorzinho na rua. Por qualquer motivo, na mesma semana, cruzou com o personagem de seu quadro na rua, dançando bêbado e cantando. Seu nome era Sinval Medeiros, um morador de rua que acabou se tornando artista plástico e teve trabalhos expostos no metrô e no Memorial da América Latina.

Mas até o encontro desses dois artistas, nenhum deles sabia que estavam com papeis trocados: pintar quadros era tarefa para Sinval e as ruas, tarefa para Thiago Fogolin. Resumidamente, é isso que me encanta nessa história. Fecho aqui com a transcrição do poema “O Aferidor” de Manoel de Barros, do qual o fotógrafo extraiu o nome de seu livro. Porque não sou eu que amo poesia, mas a poesia que ama o trabalho do Thiago:

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Nota de esclarecimento

Venho atraves deste comunicado esclarecer porgue eu tenho recebido varios email sobre a morte de um artista chamado sinval e triste mais as artes plasticas brasileira realmente perdeu um grande artista que era o sinval garcia graças a Deus comigo nao aconteceu nada e agradeço a atençao de todos